sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

troquinha.

Vou colocar aqui, porque até agora estou lisonjeada com o convite.
A história é a seguinte, Nana escreveu um texto, na verdade, uma conversa, chamada 'muito eu'. E como sempre, ficou incrivelmente incrível. Ela, como queria que alguém respondesse, me pediu pra fazer outro texto, ou conversa, como se tivesse respondendo o texto dela, o meu chama-se ' eu gosto'. Não entendi muito o porque do pedido, porque eu sou um caroçinho de arroz ao lado dela, mas enfim... Gostei dos textos e resolvi postar no meu blog também.



muito eu.
Eu sei qual é o seu problema. Você é tão eu. É como se tivessem tirado a minha pirraça de mim e colocado em você, tirado a vontade de escrever tão esporadicamente, o jeito sem-jeito com os sentimentos, aquela necessidade de minhas/suas velhas amigas, a maneira como coloca tudo o que se passa em palavras tão entendíveis para os bons entendedores, a timidez não tão tímida assim, tirasse tudo o que eu tenho, o jeito atrapalhado e confuso de lhe dar com as coisas, tudo de mim e colocado em você. Duas pessoas que se parecem tanto não dão certo. Você é como uma versão minha, só que numa ' caixa ' mais bonita. Mas se eu não posso dar certo com você.. Por que eu quero tanto tentar? Se você é tão ruim com seus sentimentos quanto eu.. como é que a gente pode chegar a saber o que sente? Você sabe.. Eu sei que você sabe. Eu vivo confundindo o que sinto. Meu coração fala grego e meu cérebro só aprendeu o tailandês, até agora. Eles não se entendem. Meu coração não é burro. Meu cérebro é que não entende ele direito. Você parece ter o mesmo problema aí dentro. A gente não dá certo junto e eu fico aqui.. querendo tentar.
Pode me dizer? por favor?
Tá bom, então.
Dá próxima vez eu vou te agarrar em público, viu?
É, sim. É assim que vai ser.
Tá beeeem, tá beeeem? hahaha.
Mas você vai me contar mesmo por que eu te quero tanto?Okay.
Tchau.
Ei, ei.. Leva isso pra se lembrar de mim. Um beijo na sua bochecha direita e o da esquerda eu só te dou depois que me contar.

Feito por Nana Andrade =*



eu gosto.
Nunca achei que ser parecida com você fosse um problema. Na verdade, sempre reagi muito bem a esta situação. Sempre gostei de ter sua pirraça, mesmo que as vezes pouca, ou ter que escrever sem parar. Sempre interpretei isso como coisas legais em você. E sempre quis tê-la em mim. Porque me condena? Esse jeito sem-jeito para os sentimentos só me mostra o quanto nós, afinal, podemos ser tão valiosas. A necessidade? Meu Deus, só significa que há muito mais amor do que você imagina. Sem contar, que aquele velho ditado diz que para bons entendedores, meia palavra basta, porque esse desejo de ser tão clara? Eu gosto de ter tudo em você em mim. Sempre achei muito bom entender as coisas pelo seu ângulo. E ah, sempre achei que você estava na 'caixa' mais bonita. Sou tão parecida com você e não sei responder as tuas perguntas, apesar de ser parecida, há algo que não faço ideia. E esse algo é porque quero também tentar. Eu sei, eu tenho certeza que sei. Mas não consigo transformar tudo que sinto agora em palavras. O que sinto em relação a 'tentar'. Sempre quando penso nessas coisas, meu coração trava. É incrível, o poder que você tem. Eu tenho ele também né? Ai, que droga de confusão. Bendito esse meu coração.
Ahm? O quê? Eu disse que ia te dizer, não falei?
Tá bom? Jura? Só isso?
Me agarrar em público?
E a minha vergonha? Tá bem, tá bem.
Eu conto, te conto tudo.
Tá, tchau!
Você é bastante chantagista hein? Se quiser, eu te dou outro beijo.

Feito por Alice Santana =*
( com muito amor para a menina fantástica)

Um comentário:

  1. 'eu sou um caroçinho de arroz ao lado dela'?
    WTH?!
    hahah.
    seu texto tá lindo³.
    e eu pedi por que eu acho que a gente se parece tão pouco no jeito de ver as coisas que achei que você ia perceber uma coisa de diferente no que eu escrevi.
    e você o fez. você viu algo bom na diferença.. caracteristica que, do meu ponto de vista, nunca seria uma qualidade.
    isso e, sem contar, que eu adoro o jeito como você escreve. como você coloca as coisas em uma ordem toda nova de ver os sentimentos.
    seu texto tá lindo e você não é um arroz. :P
    hahaha ( o arroz é ótimo, tô rindo até agora, quando lembro! )

    ResponderExcluir